Tocando Agora:Rede Piauí de Notícias
Redação Rede Piauí EDITOR CHEFE
Anderson Soares COMERCIAL
WhatsApp CONTATO/SUGESTÕES (86) 99860-1464
Polícia Por: Redação Rede Piauí Repórter 26 Jun 2018 11:30 Rede Piauí de Notícias

Acusado de executar cinco pessoas vai a júri popular em São Miguel do Tapuio

Cleiwilson passou por exames de sanidade mental que descartaram a possibilidade de surto no momento do crime.


Acusado de matar a esposa e mais 4 pessoas, em outubro de 2014, na cidade de São Miguel do Tapuio, Clewilson Matias Vieira vai a júri popular nesta terça-feira (26). Ele foi encontrado alguns dias após o crime e permanece preso na cidade desde então.

O julgamento do acusado acontece desde o início da manhã de hoje e a previsão é de que 18 testemunhas sejam interrogadas antes das considerações da defesa e da acusação para a decisão do conselho de sentença. Deste total, apenas 5 pessoas irão fazer a defesa de Clewilson.

cle
(Foto: G1)

A sessão está sendo presidida pelo juiz Leonardo Brasileiro e a acusação é feita pelo promotor Ricardo Trigueiro.

A defesa do acusado tentou transferir o julgamento para outra comarca alegando que o júri poderia estar com um pré-julgamento formado a respeito de acusado. A Justiça negou a solicitação da defesa e pediu reforço da Polícia Militar para garantir a segurança do réu e do julgamento.

Cleiwilson passou por exames de sanidade mental que descartaram a possibilidade de surto no momento do crime. O exame foi assinado por dois psiquiatras e atestou que o acusado fazia uso de entorpecentes, mas que a substância não chegou a comprometer suas faculdades mentais.

A onda de assassinatos foi motivada depois dos moradores do povoado terem organizado um abaixo assinado pedindo a expulsão de Clewilson da comunidade,  já que os vizinhos desconfiavam que ele estivesse aliciando menores para o tráfico de drogas. Revoltado com a ação, e após uma briga com a esposa, ele iniciou as execuções.

Morreram Maria Moreira, esposa do acusado, Juvêncio dos Reis da Silva, Sidney Tavares da Silva, o comerciante Cláudio Barros de Oliveira e o professor Roberto Brito Bastos Crisóstomos.

Com informações do G1 



Deixe seu comentário: