Tocando Agora:Rede Piauí de Notícias
Redação Rede Piauí EDITOR CHEFE
Anderson Soares COMERCIAL
WhatsApp CONTATO/SUGESTÕES (86) 99494-2468
Piauí Por: Bruno Jacob Repórter 28 Fev 2018 08:01 Rede Piauí de Notícias

Adão é condenado a 100 anos por estupro coletivo

O homem é tido como mentor do estupro coletivo de quatro meninas que tinham entre 15 e 17 anos


O julgamento de Adão José de Sousa, de 43 anos, foi longo e se arrastou até a madrugada desta quarta-feira, 28, no Fórum de Castelo do Piauí. O homem tido como mentor do estupro coletivo de quatro meninas que tinham idade entre 15 e 17 anos, foi condenado a 100 anos e 8 meses em regime fechado.
Adão chega ao Fórum
Crédito: Wilson Filho - Cidade Verde

A decisão do júri, formado por cinco mulheres e dois homens, saiu por volta das 4 horas da madrugada e foi lida pelo juiz Leonardo Brasileiro. Adão foi denunciado pelo Ministério Público do Piauí pelos crimes de estupro qualificado, porte ilegal de arma, homicídio qualificado, corrupção de menos e associação criminosa. Durante o julgamento, Adão se disse inocente, mas o júri entendeu o contrário.

Mentor de estupro em Castelo do Piauí pede justiça

Adão chegou ao Fórum sob gritos de "justiça" e "assassino" para iniciar o julgamento. Junto com o homem, veio a testemunha de defesa, que está presa na Penitenciária Feminina em Teresina.

Ao descer do veículo, Adão proferiu as seguintes palavras: "quero justiça" e entrou no Fórum Desembargador Antônio de Freitas Resende.

Participaram da sessão alguns familiares das vítimas, o conselho de sentença, composto por sete pessoas, a testemunha de defesa e acusação, além dos advogados,  promotor e o juiz  Leonardo Brasileiro.

Relembre o caso

Acusado de comandar um caso de estupro coletivo em Castelo do Piauí, em 2015, e chocou o Brasil, e vitimou quatro adolescentes. Segundo a acusação, Adão e mais quatro adolescentes estupraram e torturaram as garotas no Morro do Garrote. Na época as meninas tinham entre 15 e 17, foram atiradas do alto do morro, sofrendo ferimentos graves. Uma das vítimas, Danielly Rodrigues, veio à óbito dez dias após ser internada.

Julgamento tem esquema especial de segurança

Cerca de 30 agentes policiais fizeram a segurança do local para evitar tumulto. A rua onde fica localizado o Fórum foi interdidata e veículos ficaram impedidos de circular pela via.

A imprensa e nem o público terão acesso ao julgamento. Adão foi acusado de crimes como porte ilegal de arma, estupro, homicídio e corrupção de menores.




Deixe seu comentário: