Tocando Agora:Rede Piauí de Notícias
Redação Rede Piauí EDITOR CHEFE
Anderson Soares COMERCIAL
WhatsApp EXPEDIENTE/FALE (86) 99494-2468
Brasil Por: Redação Rede Piauí Repórter 29 Out 2018 08:43 Rede Piauí de Notícias

Bolsonaro confirma quatro ministros para seu governo

São eles: Paulo Guedes, Onyx Lorenzoni, Augusto Heleno e Marcos Pontes.


A definição do ministério do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) deverá se acelerar nos próximos dias, mas os primeiros nomes foram confirmados ainda noite de domingo (28) por ele. No poderoso ministério da Fazenda, que poderá ser renomeado para Economia, figura desde o início o economista Paulo Guedes. Para a estratégica Casa Civil, foi escolhido o deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS). E para o Ministério da Defesa, a escolha recaiu sobre o general reformado Augusto Heleno.

Na pasta de Ciência e Tecnologia, o astronauta brasileiro Marcos Pontes, que é tenente-coronel da Aeronaútica, também foi confirmado por Bolsonaro e ele próprio admitiu que aceitaria a missão. 

A meta máxima de 15 ministérios, por exemplo, já não é uma certeza. A primeira polêmica surgiu com a tão anunciada e propagada pelo candidato fusão entre as pastas da Agricultura e Meio Ambiente. Após receber visitas de empresários, exportadores, e de representantes do agronegócio, ficou claro que é preciso analisar eventuais prejuízos na economia internacional com as possíveis mudanças. Hoje, o principal discurso de Bolsonaro é afirmar que irá ouvir e avaliar todas as vertentes políticas e econômicas antes de tomar qualquer decisão.  

bolsonaro e paulo guedes No poderoso ministério da Fazenda, que poderá ser renomeado para Economia, figura desde o início o economista Paulo Guedes.

Cotados

Também aparece cotado para um ministério da Infraestrutura o general da reserva Oswaldo de Jesus Ferreira, 64 anos, que atuou em Brasília como um dos coordenadores do plano de governo de Bolsonaro. O general, que chegou ao posto máximo da carreira como chefe do Departamento de Engenharia e Construção do Exército, tem como meta retomar as obras paralisadas, o que exigirá aumento das verbas para investimentos, hoje reduzidas.

Na área de educação e comunicações, surge o nome do general Aléssio Ribeiro Souto, que tem coordenado esta área do programa de governo, mas há políticos do DEM cotados para ser ministro da Educação - como o próprio ex-ministro Mendonça Filho. 

Durante a campanha, surgiram informações sobre as possibilidades de fusão entre os ministérios da Agricultura e Meio Ambiente, assim como Educação e Cultura, além de Fazenda e Indústria, Comércio Exterior e Serviço. Não houve confirmações. Alguns setores reagiram às alternativas.

Como Bolsonaro conta com apoio da bancada ruralista, vários nomes foram colocados como eventuais candidatos para comandar a Agricultura. Na lista, estão Airton Spies, atual secretário de Agricultura de Santa Catarina; Frederico D’Avila, eleito deputado estadual pelo PSL de São Paulo; e Luiz Antônio Nabhan Garcia, presidente da União Democrática Ruralista (UDR).

Com informações de Agência Brasil




Deixe seu comentário: