Tocando Agora:Rede Piauí de Notícias
Redação Rede Piauí EDITOR CHEFE
Anderson Soares COMERCIAL
WhatsApp CONTATO/SUGESTÕES (86) 99860-1464
Economia Por: Ryan Andrade Repórter 29 Mai 2018 12:09 Rede Piauí de Notícias

Brasileiros estão deixando de procurar emprego, diz IBGE

No Brasil, 13,4 milhões de pessoas estão desempregadas.


Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Através da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad Contínua) revelam que o índice de desemprego no Brasil recuou para 12,9% no trimestre encerrado em abril. No Brasil, 13,4 milhões de pessoas estão desempregadas.

desemprego

O índice ficou abaixo do registrado no trimestre encerrado no mês de março quando 13,1% dos brasileiros estavam desempregados e voltou a cair depois de 3 altas consecutivas. Em relação ao mesmo período do ano passado também houve queda já que o mesmo trimestre de 2017 encerrou com 13,6% representando 14 milhões de desempregados.

Os números indicam que o recuo do desemprego não foi motivado pela melhoria do mercado de trabalho com a abertura de novas vagas, mas porque as pessoas estão deixando de procurar emprego. “A população fora da força de trabalho pode estar escondendo a desocupação. Sobe a população desocupada, mas a população fora da força também está crescendo", destacou o coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, Cimar Azeredo.

De acordo com Cimar, a diminuição da população ocupada mostra que o mercado não segurou os trabalhadores contratados temporariamente no final do ano. “A efetivação destas contratações não ocorreu. Qualquer influência que possa afetar o cenário econômico vai refletir no mercado de trabalho”, disse o pesquisador, sugerindo que a instabilidade política e a crise financeira pela qual passa o país afastam o investimento empresarial.

Ainda segundo o IBGE, o rendimento médio real do trabalhador no trimestre encerrado em abril ficou estável, chegando a R$ 2.182 nos três meses até abril, sobre R$ 2.174 em março e R$ 2.165 no mesmo período do ano passado.



Deixe seu comentário: