Tocando Agora:Rede Piauí de Notícias
Pedro H. Santiago EDITOR CHEFE (86) 98882-0261
Anderson Soares COMERCIAL (86) 99965-4448
WhatsApp CONTATO/SUGESTÕES (86) 99860-1464
Brasil Por: Teresa Albuquerque Repórter 25 Mai 2018 16:48 Rede Piauí de Notícias

Crise revela dependência do Brasil em transporte rodoviário

Postos de combustíveis fechados, inflação em diversos produtos nos supermercados, voos cancelados e aeroportos sem combustível demonstram essa dependência.


Entre as principais economias mundiais, o Brasil é o país que tem a maior concentração rodoviária de transporte de cargas e passageiros entre as principais economias mundiais. Segundo dados do Banco Mundial, 58% do transporte no país é feito por rodovias, contra 53% da Austrália, 50% da China, 43% da Rússia e 8% do Canadá. Os números são relativos a 2013.

A crise atual gerada pelas manifestações de caminhoneiros por todo o país demonstram a dependência do Brasil no transporte rodoviário e a necessidade de investimentos em ferrovias, o que diminuíria a vulnerabilidade do Brasil em momentos como o atual.

75% da produção no país é comercializada através da malha rodoviária, depois vem a marítima, com 9,2%. O levantamento foi feito pela Fundação Dom Cabral e indicou também que o setor aéreo é responsável por 5,8% do escoamento de produtos no Brasil, a malha ferroviária por 5,4%, cabotagem fica com 3% e a hidroviária 0,7%.

Os números revelam o grande investimento e dependência em transporte rodoviário. É por isso que uma greve como a dos caminhoneiros é capaz de parar o país e provocar uma crise no abastecimento do país – postos de combustíveis fechados, inflação em diversos produtos nos supermercados, voos cancelados e aeroportos sem combustível demonstram essa dependência.

A economista Ana Carla Abrão Costa, que presta consultoria à multinacional americana Oliver Wyman, além de bancos e seguradoras, afirma que o modal rodoviário é o mais caro de todos. "Nós fizemos uma opção pelo modal rodoviário, o mais caro de todos, que demanda alto investimento inicial e tem alto custo de manutenção", criticou a economista.



Deixe seu comentário: