Tocando Agora:Rede Piauí de Notícias
Pedro H. Santiago EDITOR CHEFE (86) 98882-0261
Anderson Soares COMERCIAL (86) 99965-4448
WhatsApp CONTATO/SUGESTÕES (86) 99860-1464
Brasil Por: Redação Rede Piauí Repórter 01 Jun 2018 14:55 Rede Piauí de Notícias

Governo diminui recursos da saúde e educação para pagar diesel mais barato para caminhoneiros

Além da educação e da saúde, a segurança e o transporte também vão sofrer cortes.


O presidente Michel Temer (MDB) anunciou uma redução de 46 centavos no preço do diesel, o congelamento da tarifa por dois meses, entre outros pontos. No total, atender à demanda dos grevistas está custando R$ 13,5 bilhões (9,6 bilhões em subsídios e mais 4 bilhões na redução das alíquotas do Cide e PIS/COFINS do óleo diesel). Nesta sexta-feira (01), as autoridades comemoraram não haver mais pontos de protesto ligados à paralisação dos caminhoneiros.

Para compensar, o governo resolveu reduzir recursos para programas ligados às áreas de saúde e educação. Além disso, também tomou medidas que vão elevar a arrecadação de impostos de exportadores, indústria de refrigerantes e indústria química.

O corte será de 55,1 milhões de reais na área da educação. Esse valor era destinado inicialmente para a concessão de bolsas do Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Fortalecimento das Instituições de Ensino Superior (Proies). Na pasta da Saúde, conforme o jornal Folha de S. Paulo, haverá um corte de 135 milhões de um programa destinado para o fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS). Políticas públicas voltadas para a juventude, repressão e prevenção ao tráfico de drogas e enfrentamento à violência contra as mulheres também sofrerão cortes em seus orçamentos.

Além da educação e da saúde, a segurança e o transporte também vão sofrer cortes. Apesar de uma das reivindicações dos caminhoneiros ter sido a falta de segurança nas rodovias, o policiamento ostensivo em rodovias federais sofreu um corte de R$ 1,5 milhão. No tranporte, o corte é R$ 368,9 milhões em um programa que envolvia 40 obras.

O presidente Michel Temer também adotou algumas novas medidas para aumentar a arrecadação de impostos. A principal medida diz respeito ao Reintegra, um programa de incentivo fiscal voltado aos exportadores de produtos industrializados em que o governo devolve parte dos tributos pagos por eles. Um decreto presidencial reduziu de 2% para 0,1% o tamanho desta devolução. Com isso, o governo arrecadará até o final do ano 2,27 bilhões de reais.



Deixe seu comentário: