Tocando Agora:Rede Piauí de Notícias
Pedro H. Santiago EDITOR CHEFE (86) 98882-0261
Anderson Soares COMERCIAL (86) 99965-4448
WhatsApp CONTATO/SUGESTÕES (86) 99860-1464
Saúde Por: Thiago Andrade Repórter 19 Mai 2018 14:11 Rede Piauí de Notícias

Maternidade Evangelina Rosa recebe grande quantidade de medicamentos

A MDER recebe grávidas de baixo risco, por isso acontecem problemas como a superlotação


Maternidade Dona Evangelina Rosa (MDER), recebeu uma grande quantidade de insumos e medicamentos durante esta semana. A ação é em parceria com a Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi) e tem como objetivo assegurar estoque para a Instituição.

Hospital de alta complexidade e atende grávidas em gestação de alto risco e seus bebês, que podem vir a ter problemas ao nascer, tem tido dificuldades nos últimos meses com baixa de estoque em alguns itens.

Medicamentos na Evangelina Rosa
Medicamentos na Evangelina Rosa (Crédito: Sesapi)

“A baixa do estoque não é a falta de medicamento. Nunca deixou se ser feito nenhum procedimento em função desse problema”, frisou o diretor geral da Maternidade, médico Francisco Macêdo. Ele ressaltou ainda que, com a ajuda da Sesapi, a Maternidade estará totalmente abastecida em curto espaço de tempo.

Por ser uma Maternidade referência, a MDER recebe grávidas de baixo risco, como isso, acontecem, pontualmente, problemas como a superlotação, que está diretamente ligada à faltas na atenção básica, ou seja no pré-natal de mulheres em gravidez de baixo risco, sobretudo. Esse fato foi destacado na última quinta-feira durante Audiência Pública realizada da Câmara Municipal de Teresina.

Queda da mortalidade

O diretor da Evangelina afirmou que convocou o comitê de óbitos da Instituição para uma análise minuciosa dos dados da Instituição. E a verificou fatos que merecem esclarecimento público.

A MDER vem se consolidando como referência em alta complexidade e passou a receber, em grande número, parturientes nessa condição de alto risco. “Esse fator implica diretamente no crescimento do gráficos”, diz Macêdo, destacando que os números são claros.

As causas das mortalidades se dividem em duas formas: “inevitáveis” e “evitáveis”. As inevitáveis são os casos de bebês com má formação, anencéfalos, prematuros extremos (peso abaixo de 500g), dentre outros.

De Tiago Andrade com informações de Meio Norte



Deixe seu comentário: