Tocando Agora:Rede Piauí de Notícias
Redação Rede Piauí EDITOR CHEFE
Anderson Soares COMERCIAL
WhatsApp CONTATO/SUGESTÕES (86) 99494-2468
Saúde Por: Redação Rede Piauí Repórter 13 Jul 2018 13:36 Rede Piauí de Notícias

Piauí pode ser primeiro estado do país a plantar maconha para produzir canabidiol

O governador Wellington Dias afirma ser uma hipocrisia o Brasil ainda não plantar e produzir canabidiol.


O Governo do Piauí vai pedir autorização da Polícia Federal e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para ser o primeiro estado a plantar maconha a fim de produzir o canabidiol, uma das substâncias encontradas na planta que tem grande poder medicinal e não produz euforia, nem intoxicação. 

No Brasil, o canabidiol já pode ser prescrito por médicos psiquiatras, neurologistas e neuro-cirurgiões em receita especial de duas vias. Em 2015 a ANVISA remanejou a substância para a Lista C1 do Controle Especial, fazendo com que a mesma deixasse de fazer parte da lista de substâncias proibidas (proscritas). Ou seja, a importação da substância é permitida, mas a plantação de maconha, mesmo que para fins medicinais, ainda não é permitida no Brasil. 

A partir de agosto deste ano, a Universidade Federal do Piauí - UFPI (instituição que está desenvolvendo pesquisas com o uso de canabidiol) deve concluir o protocolo de pesquisa e utilização do medicamento para que seja enviado um pedido oficial à Anvisa. 

O governador Wellington Dias se mostra a favor da plantação de maconha no Brasil. "Como é que eu posso ter um medicamento que pode ser utilizado dentro do Brasil para o tratamento de saúde produzido nos outros países e não pode se produzido aqui? Acho que é uma hipocrisia que tem que ser quebrada", disse o governador Wellington Dias (PT).

A própria filha do governador, Danielle Dias, que tem uma lesão cerebral congênita que provoca convulsões, faz uso do canabidiol para diminuir os episódios. A família importa a substância há três anos.

Embora o projeto seja da UFPI, de acordo com o reitor da universidade, José Arimatéia Dantas Lopes, o governo estadual é quem deverá cultivar a plantação por questões de segurança. "Para plantar maconha é preciso ter um aparato de segurança, o que não temos, ou o pessoal roubaria a planta", afirmou o reitor.

Ainda conforme o reitor, a ideia é produzir um óleo para uso oral e um spray nasal. Pelo projeto, a UFPI desenvolveria fórmulas farmacêuticas e faria o controle de qualidade do canabidiol e o acompanhamento dos resultados junto aos pacientes. 

Com informações de Folha de S. Paulo.




Deixe seu comentário: