Tocando Agora:Rede Piauí de Notícias
Pedro H. Santiago EDITOR CHEFE (86) 98882-0261
Anderson Soares COMERCIAL (86) 99965-4448
WhatsApp CONTATO/SUGESTÕES (86) 99860-1464
Tecnologia e Inovação Por: Redação Rede Piauí Repórter 03 Abr 2018 15:25 Rede Piauí de Notícias

Piauí terá fábrica de torres eólicas e fomenta a geração de empregos

Fábrica de torres eólicas será inaugurada no Piauí no município de Lagoa do Barro nesta sexta-feira (6)


As instalações da Fábrica de Torres Eólicas Accional/Nordex vão ser inauguradas, em Lagoa do Barro, a 540 km de Teresina, nesta sexta-feira (6).

eólicaFoto/ Ilustração.

O governador Wellington Dias irá participar da inauguração. Na mesma ocasião, o governador fará uma visita técnica para conhecer a estrutura da indústria. A empresa irá fabricar torres e fornecer equipamentos para serem usados em parques eólicos no Piauí.

A fábrica irá gerar 480 empregos diretos, vinculados à atividade da empresa no Brasil, informou a assessora estratégica para Atração de Investimentos do Governo do Piauí, Lucile Moura. “Muitos piauienses serão beneficiados com a empresa. Os empregados terão uma remuneração inicial média de R$ 1.200. Pelo menos R$ 800 mil irá movimentar a economia da região”, relatou.

Em pelo menos, 60 dias a primeira remessa de torres já estará pronta para ser transportada aos parques. A empresa Acciona/Nordex irá fabricar insumos para parques eólicos que irão abastecer, inclusive, os parques do Estado, que não precisarão importar as torres de 120m que sustentam as hélices e o aerogerador.

“Os investidores vieram em parceria com a Atlântic, que já está instalando um Parque Eólico que irá utilizar 78 torres, mas, em função de outros projetos, entenderam ser importante construir a fábrica na região”, disse Lucile Moura.

O complexo Eólico de Lagoa do Barros terá 8 parques com potências instaladas de 195MW (megawatts), gerados por 65 aerogeradores distribuídos em uma área de 2.854 hectares.

Em 2016, o governador Wellington Dias foi à Espanha visitar as aerogeradores, quando a crise financeira do país os assustou, mas confiaram na estrutura de apoio do Estado e resolveram manter o investimento de cerca de R$ 20 milhões.

*Reportagem de Helorrany Rodrigues, supervisão Pedro Henrique Santigo



Deixe seu comentário: