Tocando Agora:Rede Piauí de Notícias
Pedro H. Santiago EDITOR CHEFE (86) 98882-0261
Anderson Soares COMERCIAL (86) 99965-4448
WhatsApp CONTATO/SUGESTÕES (86) 99860-1464
Saúde Por: Ryan Andrade Repórter 22 Mai 2018 09:39 Rede Piauí de Notícias

Trabalho desenvolvido no PI pretende melhorar qualidade de vida de quem passou por cirurgia

O estudo foi apresentado na Malásia e premiado em Belo Horizonte.


Uma pesquisa conduzida pela professora Sandra Marina, do curso de Enfermagem da Universidade Estadual do Piauí (Uespi), pode melhorar a qualidade de vida de pacientes submetidos à estomias. Do ponto de vista cirúrgico, uma estomia refere-se à abertura feita na parede abdominal por meio de colostomia ou ileostomia. 

trabalho
Professora Sandra Marina (Foto: Cidade Verde)

O estudo tem por objetivo o planejamento e implementação de políticas públicas que priorizem a reconstrução de trânsito intestinal de pacientes que passaram por indicação para este tipo de procedimento. O trabalho da professora Sandra Marina foi premiado durante o Congresso Brasileiro de Estomaterapia apresentado entre 15 e 18 de abril deste ano, em Kuala Lumpur, capital da Malásia.

A pesquisa foi realizada em parceria com o Hospital Lineu Araújo, com pessoas de ambos os sexos e idade média de 56 anos e foi realizada entre agosto de 2016 e junho de 2017, com 715 pacientes estomizados. O estudo revelou que o sexo masculino tem maior incidência de casos (70,9%) e cerca de 80% dos estomas foram em decorrência de câncer colo retal.

De acordo com o trabalho, 39,8% dos casos são de pacientes da capital, 44,3% de municípios do interior e apenas 5,9% de pessoas residentes em outros estados do Brasil

Um dos resultados iniciais obtidos através da pesquisa prevê a recuperação dos atendidos, sobretudo, a redução e qualificação da fila de espera para realização de cirurgias. “Estamos mantendo contato com os pacientes informando quem tem indicação cirúrgica, respeitando, obviamente, a opinião de cada um deles, e sendo feitas mobilizações junto ao serviço público, estimulando o fortalecimento do grupo de pessoas com estomias no Piauí”, comenta a pesquisadora. 

A pesquisa também foi apresentada e premiada no Congresso Brasileiro de Estomaterapia que ocorreu em novembro de 2017, na cidade de Belo Horizonte.



Deixe seu comentário: